O cristão não é um saudosista devoto de um Cristo pregado na cruz. Na sua luta de todos os dias, no meio de dificuldades e interrogações, ele vive em verdadeira comunhão com Cristo. despregado da cruz. Este amor, diariamente renovado, dá-lhe força para enfrentar com deter-minação as tentativas dos assaltos da mentira, do prazer, do capricho pessoal, do ódio, do desespero, da incompreensão … de tudo aquilo a S. João chama “mundo”.O cristão não se alimenta de discussões inúteis sobre tradições, preceitos e normas, que não passam de coisas secundárias, mas está nas mãos de Deus e deixa-se guiar pela Palavra e pela força do Espírito para ser construtor de um mundo novo de paz verdadeira, de alegria interior e exterior que não enganam, construindo a cidade de Deus como pedra viva e não como peso que tem de ser arrastado por outros. É preciso continuar a ressuscitar com Cristo. P.C.L.

Deixar uma resposta