A fé em Deus não é um dado científico tal como não é o acreditar em quem me fala no dia a dia. Há muitos outras expressões da vida que não são dados científicos. São actos de confiança, são actos de coração que estabelecem relações de confiança.
Porque é que, às vezes ou muitas vezes, somos enganados? Não será porque confiamos? Porque é que dói muito a traição de um amigo? Não será porque nele depositávamos toda a confiança, a ponto de dizermos “não esperava isto de ti”?
Assim, damos conta de que a fé e a FÉ (= natural ou sobrenatural) estão envolvidas na dúvida. Quem não tem dúvidas tem certezas, e porque se tem dúvidas é que se acredita. A fé é como o nevoeiro: eu sei que há caminho, eu sei que há sol mas não os vejo. O Sol não deixa de existir e de iluminar mesmo quando escondido por nuvens negras durante o dia ou desaparecido na escuridão da noite.
– Se eu vir acredito? – Não. A Fé é acreditar sem ver. (P.C.L.)

Deixe uma resposta