Continuando a linha da reflexão da semana passada, este mundo assim construído e desejado por tantos não é o mundo desejado por Deus.
O convite que Deus lança a toda a humanidade, sem qualquer restrição, é o desafio de um caminho que a todos pode conduzir ao encontro com Ele, um Deus que não está, de forma nenhuma, a favor do pecado, mas sempre se revela em defesa do pecador.
Por aqui passa a transformação: um ser humano pecador é, pela graça de Deus, com novo alento, um projecto de vida nova, quando a imagem de Deus em nós se torna a expressão da verdade que somos. Nada que se fique só pelas aparências!
Deus, porque não faz qualquer distinção de pessoas, não exclui ninguém: a todos chama e a todos perdoa. E quando assim não acontece, é porque somos nós que nos excluímos.
(P.C.L.)

Deixar uma resposta